LUÍS GONÇALVES:: Vamos ver o que vai acontecer daqui para frente…

Na hora do adeus, Luís Gonçalves não escondeu a sua tristeza por ter de deixar a selecção nacional. Ao mesmo tempo mostrou-se surpreendido com a decisão tomada pela Federação Moçambicana de Futebol pois, no seu entender, tinha ainda muito mais a dar ao País futebolístico.

Texto: Redacção

O agora ex-seleccionador nacional explicou os contornos da sua saída do cargo e avançou que apenas foi informado da decisão pela direcção da federação, liderada por Feizal Sidat, durante “a reunião cordial” havida na tarde desta quarta-feira, 31 de Março, em Maputo.

Não houve mais nada do que isso. Fui apenas informado pela direcção da decisão, através de uma carta e mais nada…”, revelou.

A partir daí, assegurou o técnico, será necessário “perceber o que vai acontecer a seguir”, antevendo-se, com estas palavras, uma batalha jurídica em relação a algumas cláusulas patentes no contrato que a federação referenciou ter cessado por não terem sido cumpridos alguns objectivos, com destaque para o apuramento ao Campeonato Africano das Nações, Camarões-2021.

Aliás, sobre os objectivos, o técnico português explicou que “não só tinha esse objectivo (do apuramento ao CAN-2021), como também o apuramento ao Campeonato Mundial de Futebol, Qatar-2022”, cuja fase de apuramento arranca já em Junho próximo.

Triste com a saída prematura

O luso-moçambicano assumiu adiante que a decisão tomada pela federação apanhou-o de surpresa porque “nada indicava que iria acontecer, pelo menos de uma forma oficial”.

Como disse, eu estava de corpo e alma na federação e na selecção nacional, pois acredito que é possível fazer algo mais para o futebol moçambicano”, uma vez que “tinha uma área de intervenção abrangente, como a responsabilidade pelo desenvolvimento da modalidade”, explicou.

Triste? “Naturalmente, porque acredito e acreditava firmemente que era possível continuar a desenvolver o meu trabalho e a contribuir para o melhor do futebol moçambicano, apesar de todas as dificuldades que todos temos encontrado”, assumiu.

Ainda assim, Luís Gonçalves não escondeu o orgulho que sente por ter entrado para a história como seleccionador nacional de futebol de um País que o viu nascer.

O objectivo do CAN afogou num mar de dificuldades

O agora ex-selecionador nacional de futebol insistiu em defender que o objectivo do apuramento ao CAN esbarrou nas inúmeras oportunidades criadas pelos Mambas no jogo contra Cabo Verde, na noite de terça-feira, 30 de Março.

Bastava concretizar algumas das imensas oportunidades de golo que estaríamos a festejar e no CAN. Mas nós sabemos de todas as dificuldades que tivemos na preparação dos jogos: Da COVID-19, da ausência de Moçambola, da não realização de estágios, enfim…Uma série de outros factores”, lembrou.

Sem o futuro ainda definido, porém confiante de que propostas não faltarão, Luís Gonçalves desejou na epístola do adeus as maiores felicidades à selecção, jurando de pés juntos que “estarei sempre a torcer por Moçambique, pois me considero moçambicano. Tenho Moçambique no coração. Um dia mais tarde talvez regresse, porque o futuro a Deus pertence”.

De recordar que Luís Gonçalves assumiu o comando técnico da selecção nacional de futebol em Agosto de 2019. Chegou para substituir Abel Xavier, técnico com o qual trabalhou como adjunto nos Mambas. OC


*Este conteúdo foi oferecido por http://www.jogabets.co.mz (Registe-se e torne-se um campeão das apostas desportivas)



Categorias:Início, Mambas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: